Eu divido minha refeição com meu pet – O que é que tem?

 

Os animais de companhia estão a cada dia mais próximos e muitos são considerados membros da família. Mas é importante lembrar que eles não podem comer a mesma comida que comemos no nosso dia a dia, pois possuem um sistema digestivo diferenciado e mais frágil.

Os cães possuem quantidades menores de uma enzima chamada amilase, e desta forma sua digestão não começa na boca, como ocorre com os seres humanos, mas no próprio estomago. Alguns condimentos como cebola, cebolinha e alho são tóxicos para cães e gatos, causando anemias. Também não conseguem metabolizar alimentos muito gordurosos, apresentando logo alterações de fígado e vesícula biliar.  Ou se ingerem grandes quantidades de carne, há distúrbios em seu metabolismo, apresentando diarreias e mesmo pancreatite agudas de difícil resolução. Continue Reading →

COMPLEMENTOS NUTRICIONAIS PARA OS PETS – A VITAMINA D

Uma boa alimentação costuma suprir as necessidades básicas de todos os nutrientes. Porém, não raro nos vemos diante da necessidade de suplementar cães e gatos com vitaminas e aminoácidos.

Por outro lado, estudos recenes apontam os benefícios de reforçar a dieta com certos nutraceuticos, e um deles é a vitamina D.

A vitamina D, como se sabe, pode ser obtida de forma fotossintética, a partir da exposição de alguns minuto à luz solar da manhã. Porém, esta produção não ocorre de forma tão fácil em cães e gatos, e assim eles precisam ingerir a forma ativa, o colecalciferol (D3).

Continue Reading →

DIARRÉIA NÃO É SÓ VERMINOSE (PARTE I)

http://www.blogdocachorro.com.br/wp-content/uploads/2013/08/Constipa%C3%A7%C3%A3o-intestinal-em-cachorro.jpg

A diarréia em cães e gatos é um evento relativamente frequente, e  multifatorial. Na maioria das vezes é auto-limitante, e logo se resolve, como no casos de ingerir alimentação humana temperada, com corantes, açucar refinado, temperos,  farináceos fermentados. Ou alimentos que eles buscam nas latas de lixo e estão deteriorados, gerando intoxicações de diferentes graus de periculosidade.

Ainda há aqueles episódios diarréicos  por troca brusca de rações, que embora todos saibam que não é conveniente, sempre ocorrem ocasiões em que se há oportunidade de fazer a adaptação gradativa da ração antiga e a nova.

De maneira geral, quando as fezes dos caninos e felinos domésticos  ficam amolecidas, logo se conecta o pensamento com a possibilidade deles estarem com verminoses, e correm a dar os medicamentos. É preciso notar que hoje em dia, tal como ocorre com as bactérias, há uma  certa resistência dos vermes a alguns vermífugos  em uso. Continue Reading →

A Síndrome do Estress Pós–traumático Secundário em Médicos Veterinários

Sabe-se que a incidência de problemas psicológicos em Médicos Veterinários, e mesmo a taxa de suicídio é mais elevada do que em relação ao resto da população, não só no Brasil, como em vários países, como na Inglaterra, por exemplo.

A Síndrome de Burnout é um distúrbio psíquico de caráter depressivo, precedido de esgotamento fisico e mental intenso. O desejo de sempre fazer o melhor e sempre demonstrar alto grau de desempenho é outra fase importante da síndrome: o portador de Burnout mede a autoestima pela capacidade de realização e sucesso profissional. O que tem início com satisfação e prazer termina quando esse desempenho não é reconhecido, ou se tem a ilusão que não está sendo reconhecido. Na verdade é uma concepção incorreta, onde a meta não é cumprir bem seu trabalho, mas uma certa obsessão por ser “visto”. Na área de saúde, é comum, o profissional dar tudo de si, ultrapassando seus limites, fazendo muitas e muitas horas extras, e no fim ou não ser reconhecido, ou ainda criticado, ou o pior, o paciente , além de todos os melhores esforços, não resiste e morre.

Bastante recorrente em nossa profissão, outro distúrbio muito próximo à Sindrome de Burnout, também chamada de “Estress Pós-Traumático Secundário”, ou “Fadiga pela Compaixão”, é um fantasma que deve ser reconhecido e combatido, antes que comece a prejudicar a performance e toda a vida do profissional. Continue Reading →

MAIS SOBRE FEBRE AMARELA E OS MACACOS

repercute_febre_amarela_13_01_2017febreamarela_post8

O vírus da febre amarela é transmitido ao homem através da picada de fêmeas de mosquitos infectadas. Esses mosquitos são chamados de Haemagogus e Sabethes, vivem em área de mata, principalmente nas copas das árvores. O mosquito Aedes aegypti se adaptou ao vírus e é o principal transmissor nas cidades.

Os sintomas iniciais incluem febre de início súbito, calafrios, dor de cabeça, dores nas costas, dores no corpo em geral, náuseas e vômitos, fadiga e fraqueza. Em casos graves, a pessoa pode desenvolver febre alta, icterícia (coloração amarelada da pele e do branco dos olhos), hemorragia e, eventualmente, choque e insuficiência de múltiplos órgãos. Cerca de 20-50% das pessoas que desenvolvem doença grave podem morrer.

Não há nenhum tratamento específico contra a doença. O médico deve tratar os sintomas, como as dores no corpo e cabeça, com analgésicos e antitérmicos. Salicilatos devem ser evitados (AAS e Aspirina), já que seu uso pode favorecer o aparecimento de manifestações hemorrágicas. O médico deve estar alerta para quaisquer indicações de um agravamento do quadro clínico

Agora, atenção: Ao contrair a doença, a pessoa pode se tornar fonte de infecção para o Aedes aegypti no meio urbano. Logo, a vacinação em caso de incidências isoladas da doença, como estamos vivendo no momento, é essencial para afastar o perigo de surto epidêmico da mesma.

Os macacos vivem nas florestas, e ali devem ficar. Eles são muito vulneráveis à febre amarela, e é o homem infectado em novos surtos que pode levar a doença a eles, uma vez que estava controlada. Eles não podem ser vacinados pois são considerados animais sentinelas, isto é, sinalizam onde há a doença. Matar macacos não vai ajudar em nada em caso de surto, pois é o homem que estará veiculando o vírus.

PORTANTO, POR FAVOR, NÃO FAÇAM NADA CONTRA OS MACACOS, ELES SÃO VÍTIMAS, NÃO OS ALGOZES DA FEBRE AMARELA. VAMOS COMBATER O MOSQUITO E NOS VACINAR !!!!!

01

Gastroenterite hemorrágica em cães nem sempre é viral

gastroenterite

Quando se fala em gastroenterite hemorrágica, logo se associa a infecção por viroses graves como a Parvovirose e a Coronavirose. Porém, ela pode ocorrer subitamente, e variados graus de sintomas e patogenicidade.

A gastroenterite hemorrágica é uma doença misteriosa, e pode acometer cães de diversas raças, independente de idade, ou de serem machos ou fêmeas.  Os sinais ocorrem em geral de forma aguda, podendo ou não ser precedidos por inapetência ou vômitos.

A diarreia pode começar mucoide, ficar esverdeada e depois hemorrágica. O animal desidrata rapidamente, apresenta grande desconforto e dor abdominal e necessita de cuidados imediatos como exames laboratoriais e de imagem. Cães jovens têm maior tendência a comer coisas indigestas que podem causar obstrução ou mesmo perfuração, sendo necessária intervenção cirúrgica. Continue Reading →

O super vilão Aedes aegypti ameaça também os animais

Um pequeno inseto e um poder de destruição tão grande. O mosquito Aedes aegypti tem preocupado toda a Comunidade Médica e os pesquisadores das questões Sanitárias e Epidemiológicas, pois cada vez mais se torna o carreador de mais e mais doenças infecto-contagiosas.

Já é sabido que transmite a dengue, a zika, a chikungunha. Nas últimas semansa porém, temos tidos inúmeros alertas de cidades com casos de febre amarela, quando, erroneamente culpam os pequenos primatas que vivem próximos às matas das cidades. Mas a culpa realmente é mais uma vez do Aedes aegypti, junto com o igualmente perigoso mosquito tigre, o Aedes albopictus.

            Ainda há outra doença reemergente chamada Mayaro, que tem sido detectada em algumas partes do país, assemelhando-se ao dengue.

Continue Reading →