A HOMEOPATIA E OS INCÊNDIOS

Tenho estado muito angustiada, como muitos de nós, pelas notícias da enorme catástrofe na Austrália, com os repetidos incêndios. E antes, com os incêndios que ocorreram no Brasil. A situação em breve com certeza irá melhorar, e chuvas vão apagar o fogo e logo a fauna e flora tentará se recuperar, mas enquanto isso, muitos animais precisarão de auxílio.

            Com certeza a Homeopatia pode ajudar nestes casos, tanto no tratamento das queimaduras, como nas sequelas dos traumas emocionais que aqueles pobres animais têm passado.

            Não venho aqui com prescrições milagrosas, com indicações de doses ou posologia, e sim fazer uma releitura do que deve estar acontecendo, e o que os grandes mestres homeopatas de ontem e de hoje poderiam indicar.

            O Dr. Chandak, homeopata indiano, classifica as queimaduras de acordo com variadas causas:

Os efeitos das queimaduras podem ser:

  1. Efeitos locais – dano tecidual com necrose celular; inflamação com desenvolvimento de celulite (a celulite infecciosa, também conhecida como celulite bacteriana, acontece quando bactérias conseguem entrar na pele, infectando as camadas mais profundas e causando sintomas como vermelhidão intensa na pele, dor e inchaço); infecção por Streptococcus beta hemolítico ou outro agente bacteriano, septicemia, bacteremia.
  • Efeitos regionais – danos à circulação, com lesões em vasos sanguíneos dos membros inferiores e/ou superiores, prejudicando o retorno venoso.
  • Efeitos sistêmicos:

Para os sintomas físicos e emocionais devido às queimaduras, alguns medicamentos homeopáticos são indicados pelos Dres. Chantak, homeopata indiano, e David Little, homeopata americano vivendo com a família na Índia há muitos anos:

ACONITUM – para o choque emocional, pavor, medo da morte. E para as lesões imediatas na pele.

ARNICA – para a dor e cicatrização dos ferimentos.

ARSENICUM ALBUM – queimaduras profundas, vesículas e infecções. Sintomas de agitação e medo.

BELLADONA- quando há muito desespero, pouca resistência à dor. Pele muito vermelha e inchada

CALENDULA – como cicatrizante, anti-inflamatório e bactericida

CANTHARIS – principalmente onde há formação de vesículas e bolhas. Complicação renal

CAUSTICUM – pensar neste remédio em queimaduras de segundo grau.

CARBOLIC ACIDUM – efeitos nas queimaduras profundas e suas sequelas.

HAMMAMELLIS – principalmente em seu uso externo, desinflama e alivia dor

HYPERICUM – se houver danos em nervos. Diminui a dor.

RHUS TOX – nas queimaduras extensas com vesículas. Erisipelas.

THEREBINTINA – para as queimaduras, e também se há lesões em rins.

LITERATURA CONSULTADA

CHANDAK,  Burns its Homeopathic Management. Disponível em : http://www.homeoint.org/articles/chandak/burns.htm

DOOLEY, T. Treating fire with fire- Homeopayhy for burns. Disponível em: https://www.homeopathycenter.org/homeopathy-today/treating-fire-fire-homeopathy-burns

LITTLE,D. Burns and Scalds. Disponível em: http://www.simillimum.com/education/first-aid-room/contents/burns_and_scalds.php

SUMET, L. Suffered a Burn? Homeopathy Can Help. Disponível em: https://www.homeopathyworks.com/blog/suffered-a-burn-homeopathy-can-help/

By Leonora Mello

Doença Inflamatória Intestinal Felina

A DII (doença inflamatória intestinal) em gatos domésticos tem se tornado mais frequente, ou talvez, mais diagnosticada devido ao maior acesso aos meios de diagnóstico por imagem, sobretudo a ultrassonografia.

Podem ocorrer sintomas como diarreia, diminuição do apetite, náusea e vômitos, dores abdominais, e por vezes ocorrem complicações como a pancreatite e a tríade felina (que envolve inflamação em fígado, pâncreas e intestino delgado).

As causas de DII são variadas, pode iniciar pela presença de parasitas intestinais (vermes, Giardia sp, Criptosporidium, etc), corpo estranho não obstrutivo, naqueles gatos que costumam mastigar e engolir plástico e outras coisas não comestíveis, intolerância ou alergia alimentar, alteração na flora intestinal (pelo uso excessivo de antibióticos ou outros medicamentos). Pode se tornar crônica e vai adquirindo um perfil de doença autoimune, daí chamando-se enterite plasmocítica-linfocítica. Alguns autores relatam que casos crônicos sem tratamento, ou que não respondem bem ao tratamento, podem evoluir para linfoma intestinal.

É muito difícil fazer o diagnóstico diferencial de DII e de um quadro mediano de linfoma, que costuma ter um comportamento  de crescimento lento, perda da integridade das camadas internas, visualizado pela ultrassonografia, persistência dos linfonodos mesentéricos, e eventualmente metástases em outros órgãos.

O mais recomendado é iniciar o tratamento tão logo seja diagnosticada a doença inflamatória intestinal, com dieta hipoalergênica, probióticos e outros medicamentos, tentando descobrir as causas. A homeopatia pode auxiliar, e pode-se citar Arsenicum album, Mercurius cor, Podophylum, Gambogia, Iris versicolor, Sulphur, Veratrum, Colibacilinum…Para cada caso, com seus sinais e sintomas, poderá ser feita uma prescrição adequada, que irá aliviar os sintomas ou mesmo curar.

By Leonora Mello

Existem animais com autismo?

Não há comprovação a respeito do diagnóstico de autismo para cães e gatos de estimação.
Mas sabemos que alguns deles apresentam sintomas, como falta de conexão com outros animais e/ou pessoas, comportamentos obsessivos esporádicos, como correr atrás da cauda, lambedura excesso sob estresse, olhar vago, não responder a comandos, nào suportar situações como muito barulho, a confusão das ruas ao passear.
Podem se tornar agressivos sem qualquer razão, ou ter reações inesperadas de fuga…
Estes comportamentos alienados podem ocorrer em animais que foram muito maltratados, ou mesmo em ninhadas de animais de raça pura. Podem ter aparencia normal, ou um olhar vago, olhos separados, alguma outra alteração física.
Estes animais necessitam cuidados especiais, as vezes de adestramento comportamental, ou mesmo serem medicados. Uma alternativa ao uso de medicamentos convencionais como a amitriptilina, ou fluoxetina, é a utilização de Homeopatia e Florais. Eventualmente uma alimentação natural também pode ajudar, pois ainda não se sabe se intolerâncias alimentares lactose, e alimentos refinados, tal como no ser humano, podem agravar o quadro.
Enquanto a ciência não comprova de fato as causas destes comportamentos diferentes, podemos tentar ajudá-lo com as Terapias Complementares.

By Leonora Mello

Literatura consultada:

https://www.sciencefocus.com/nature/is-autism-found-in-any-other-animals/

http://www.sld.cu/galerias/pdf/sitios/mednat/role_of_homoeopathy_in_the_management_of_autism.pdf

A QUESTÃO DAS VACINAS PARA CÃES E GATOS

 

Muito se fala e se escreve sobre a questão das vacinas. Vou escrever também, um pouco sobre o que tenho observado ao longo dos anos.
As vacinas anti-rábica e óctupla/ déctupla importadas, feitas de modo que chamamos ” vacinas éticas”, são altamente eficazes, com uma incidência muito pequena de agravos.
Vacinas polivalentes, algumas com 12 antígenos inclusive, compradas “em balcão”, como se diz, e que não são aplicadas por médico veterinário, não apresentam uma boa resposta imune, talvez porque não haja um cuidado criterioso em sua conservação, ou por erros na vacinação, ou porque o anexo mal não estivesse em boas condições imunologicas no momento da vacina.

Enfim, são muitas as causas de falhas vacinais, e por isso, antes de vacinar o animal tem de ser examinado por médico veterinário, estar vermífugado, estar sem febre, bem alimentado, estado geral excelente.

Continue Reading →

CROMOTERAPIA

 

https://curtaiptv.top/1nnkl

A Cromoterapia é uma Terapia Integrativa e Complementar que utiliza as  cores. Ela auxilia o equilíbrio e a harmonia entre corpo, mente e emoções. Cada cor tem sua função terapêutica específica e atua em um chakra ou um órgão do corpo.

Durante anos utilizou-se a cromoterapia como uma das Terapias Complementares  em seres humanos, mas recentemente ela tem sido utilizada em animais, principalmente em cães e gatos.

Continue Reading →

O QUE SÃO MANDALAS DE SAÚDE

1

MANDALA é uma palavra em sânscrito que significa círculo. Mas  também possui outros significados, como círculo mágico ou captação e concentração de energia. A mandala é ainda o símbolo da totalidade, integração e harmonia.

A Mandalas podem ser usadas para cura do físico e do emocional, trazendo saúde e vigor. As Mandalas de Cura, ou de Saúde, também podem ser utilizadas para para harmonizar um ambiente, melhorar desempenho no trabalho, e ainda energizar  um espaço especial, que seja utilizado para mediação.

Na Psicologia Moderna, o célebre psicólogo Jung, que criou a Psicologia Analítica, ao estudar as mandalas orientais, passou a desenhá-las, descobrindo o efeito de cura que elas exerciam sobre ele mesmo. Após anos de estudos sobre a  psiquê humana,
ele passou a utilizar a construção de mandalas como método psicoterapêutico.

Continue Reading →

Será que meu Cão tem “Olho Seco” ?

http://www.animaleye.com.au/Information/AboutEyeDiseases/DryEye/tabid/21047/Default.aspx

        A Síndrome do olho seco ocorre quando há produção insuficiente do filme lacrimal. O filme lacrimal é composto por glicoproteínas, lipídio, sua, eletrólitos, imunoglobulinas, lactoferrina, lisozima e citocinas. Pela sua composição, ele cumpre importante papel na proteção e homeostase da superfície ocular.
O filme ocular ainda possui as funções de fornecer oxigênio para a córnea; lubrificação da córnea, diminuindo seu atrito com as pálpebras no ato de piscar; fonte de proteína com ação antimicrobiana; remoção de febris e restos celulares por meio da sua drenagem.

Continue Reading →

NÃO CONFUNDIR ESPOROTRICOSE COM DOENÇA DA ARRANHADURA DOS GATOS

doença da arranhadura do gato

esporotricose – nota-se lesão em focinho do gato, e no percurso linfático na lesão do antebraço da pessoa contaminada

Como é sabido, a incidência de esporotricose aumentou muito em vários municípios do Estado do Rio de Janeiro.
A esporotricose é uma micose sistêmica, com características de zoonose, isto é , pode ser transmitida ao ser humano.
O fungo Sporotrix spp fica no ambiente, terra, espinhos de rosas, pedaços apodrecidos de madeira, troncos de árvores. O gato tem contato com os locais contaminados e podem ter os esporos nas unhas. Quando há brigas, imunidade baixa e/ou baixas condições higiênico-sanitárias, ele pode manifestar na pele a doença, ou mesmo em sua forma mais profunda, no interior do focinho, onde ele ficará deformado ou mesmo destruído se não houver um tratamento efetivo com itraconazol , as vezes associado ao iodeto de potássio, e isolado de outros até sua alta clínica.
Eventualmente, o ser humano pode se contaminar com esporotricose  pela arranhadura de animais sintomáticos, isto é, que tenham as lesões características da doença.  Continue Reading →