Homeopatia e a Medicina Veterinária

Com o crescimento das Terapias Integrativas e Complementares, aos poucos vem aumentando a aceitação dos responsáveis/tutores pelos animais de companhia em utilizá-las. Porém, são tantas, que umas se entremeiam às outras e se confundem. Por exemplo, muitos ainda acham que a utilização de fitoterápicos, florais e produtos ortomoleculares fazem parte da terapia homeopática. E não é bem assim…. venho então neste breve texto explicar um pouco sobre Homeopatia Veterinária.

            Como Médica Veterinária, posso fazer uso da Homeopatia, uma vez que cursei a pós-graduação, ou se achar necessário, da Acupuntura, da Auriculoterapia, da Moxabustão, do laser ultra-vermelho, ou o apenas a radiação de luz vermelha, cujos estudos completei também com após outra especialização…. Uso se necessário estes recursos, assim como a aplicação de outros cursos que fui fazendo ao longo da vida, como florais, tinturas, chás, extratos, fórmulas ortomoleculares, e mesmo radiestesia, embora, esta última prática eu deixe para meus estudos em casa sobre algum caso em particular, assim como tento desenvolver meus estudos de Reiki e outros caminhos quânticos que aparecerem.

            É importante citar, que para se ter proficiência nas práticas integrativas, é necessária uma base muito sólida em clínica médica geral, e estar sempre fazendo atualizações sobre a Medicina convencional, os exames a serem solicitados, nas novidades diagnósticas, nas doenças emergentes. E aí sim, aplicar o conhecimento de uma forma diferenciada, mas lúcida e com bom senso. E muitas vezes, as terapias integrativas trabalham como coadjuvantes da terapia convencional alopática, e também dá certo! Minimizando efeitos colaterais, permitindo diminuição de doses, ajudando nos cuidados paliativos… Com conhecimento, consciência e muito estudo, muita coisa é possível de se fazer!

Se está apreciando o texto, continue lendo!

Páginas: 1 2

O excessivo uso de antibióticos e a urgência de um plano para seu consumo racional Bom senso- Expertise- Alternativas

Com a descoberta e desenvolvimento dos antibióticos, com certeza muitas vidas foram salvas, de infecções simples às mais complexas. Porém, ao longo das décadas que se seguiram à descoberta dos antibióticos, observou-se que o uso de antibióticos na medicina humana, medicina veterinária e agricultura está relacionado à contaminação do meio ambiente, das águas superficiais, subterrâneas, água potável, esgoto municipal, solo, vegetais, em toda parte.   Em decorrência do uso abusivo, nem sempre necessário, vem ocorrendo a resistência dos microorganismos, aumentando a duração da doença, a morbidade e a mortalidade.

            É necessário o uso racional dos antibióticos. Doenças virais não respondem aos antibióticos, a não ser que existam infecções bacterianas secundárias envolvidas, e assim, na maioria das viroses não haveria necessidade de sua prescrição. Se as cirurgias veterinárias forem realizadas com a melhor assepsia possível, não será necessário o tradicional tratamento preventivo antibiótico pré-operatório, sendo necessário um mínimo de doses no pós-operatório. E quadros inflamatórios leves, podem ser tratados precocemente com terapias integrativas como homeopatia e fitoterapia, desde que não complicados. A demora na introdução de um protocolo terapêutico porém, pode acabar levando à necessidade da administração de antibióticos por via sistêmica. Ou a administração incorreta, com baixa dosagem, ou posologia inadequada, ou antibióticos com a validade vencida, manipulação indevida, tudo isso pode ser uma demanda contra a cura de uma infecção.

Páginas: 1 2

TRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVO EM CÃES

Os problemas comportamentais em cães, podem ser devido à várias causas. Uma delas pode ser devido ao desconhecimento de seus tutores quanto às característica de raça ao escolherem um filhote. Por exemplo, um cão cuja raça foi desenvolvida para pastoreio, como o Border collie, não se adapta bem em apartamentos, pois tem muita vitalidade, e se esta não for gasta diariamente, pode se tornar hiperativo, destrutivo.   Outro exemplo é o Westie – West highland white terrier – um cão pequeno, e aparentemente ótimo para viver em apartamento. Porém é um cão com muita energia, e bastante obstinado, e deve ter bastante disciplina desde novinho para conseguir responder a comandos, quando for necessário. E além disso, os cães westie gostam de ficar perto de pessoas, e não se adaptam bem à solidão, e se isto acontecer pode gerar problemas comportamentais. O Yorkshire terrier costuma ser muito afetuoso, mas se não for bem sociabilizado, pode tornar-se agressivo para outras pessoas e animais, pois como é um terrier, precisa compreender quem é o seu líder. Frequentemente, muitos animais sem raça definida também apresentam alterações comportamentais, e isso é comum naqueles que foram adotados de abrigos, ou de situações de maus tratos. Às vezes as alterações são tão incômodas e profundas que seus tutores acabam achando que não tem o que fazer e isso gera sofrimento para todos.

Páginas: 1 2

Alterações do baço em cães – PARTE I – Esplenomegalia persistente

·        Em passado recente, poucos davam valor às funções do baço. Hoje se sabe que ele é um importante órgão do sistema hematopoiético, com papel de destaque no sistema imunológico e só deve ser retirado em último caso. Ele possui múltiplas funções entre as quais :

  • produção extra-medular de glóbulos vermelhos;
  • armazenamento de células;
  • filtração do sangue;
  • produção de células de defesa;
  • o ferro reciclado das velhas células vermelhas do sangue é armazenado no baço, onde aguarda o transporte para a medula óssea.

                   Exames de imagem, e o mais frequente é a ultrassonografia, mostram aumentos do baço, às vezes persistentes, sem que se conheçam as causas. A congestão do baço pode ocorrer por causas variadas, como a administração de certos medicamentos, como agentes anestésicos ou tranquilizantes, por exemplo. A congestão também pode ocorrer devido ao aumento da pressão arterial secundária à uma hipertensão do sistema porta, em algumas alterações hepáticas, decorrentes de intoxicações, shunts hepáticos, secundariamente à cardiopatias.

                  O baço pode reagir exageradamente a condições específicas, resultando em um processo de doença conhecido como esplenomegalia hiperplásica ou reativa. Um baço pode se tornar reativo quando há estimulação excessiva do sistema imunológico por condições como doenças imunomediadas, infecções bacterianas, doenças transmitidas por carrapatos, entre outras.

                   A esplenomegalia pode ocorrer ainda por torção, o que determina uma emergência cirúrgica. Pode ocorrer devido a um trauma, junto de uma torção gástrica, ou sem uma causa determinante conhecida.

                   Outra causa que determina aumento generalizado ou parcial do baço, são os tumores, que podem ser benignos e malignos, sendo que entre os malignos o mais frequente é o hemangiossarcoma.

Nem sempre haverá necessidade de remoção do baço, e esta só deve ser realizada em último caso. Entre as enfermidades não tumorais mais frequentes estão as doenças transmitidas por carrapatos como a Erlichia sp, Anaplasma sp, Hepatozoon, Babesia sp, Rangelia sp, além da leishmaniose visceral. O cão pode estar ou não sintomático. Pode apresentar anemia, febre, perda de peso diminuição do apetite, mucosas pálidas, dor abdominal. Ou a esplenomegalia pode ser um achado em um exame de imagem de rotina. O tratamento da causa primária em geral determina a normalização esplênica, embora ela seja gradativa e demore algum tempo. E em outros casos, se houver envolvimento de mecanismos autoimunes ela se torne permanente e é necessário monitoramento, junto do quadro clínico e laboratorial.

                   Os hematomas também são causas de aumento do baço em cães, representando mais de 50% dos casos de esplenomegalia. Podem ocorrer por trauma, mas muito mais frequentemente por infartos esplênicos e desordens da coagulação, sobretudo em cães idosos. Em geral  são reabsorvidos após um período de tempo, mas outros crescem exponencialmente e eventualmente se rompem. Um hematoma rompido com origem no baço é uma emergência e, frequentemente, o animal experimenta um episódio de colapso agudo seguido por uma perda significativa de sangue no abdômen (hemoabdomen). Dependendo do tamanho do hematoma, será recomendado a remoção do baço.

                   A ultrassonografia e a tomografia computadorizada são determinantes para o diagnóstico de esplenomegalia em animais e tem evitado muitas cirurgias exploratórias desnecessárias (chamadas celiotomias ou laparotomias), ou determina a urgência cirúrgica, em outros casos.

                   A esplecnectomia, embora seja uma cirurgia que salva vidas, deve ser indicada com critério, e é importante que o cirurgião tenha certeza que as condições clínicas do paciente sejam favoráveis ao êxito cirúrgico. Não é uma cirurgia fácil, nem tampouco o seu pós operatório. Sempre será necessário obter bolsa de sangue para seu provável uso no trans-operatório, e o repouso do animal após a cirurgia deve ser absoluto por no mínimo 10 dias, tendo rigorosa monitorização para um a boa cicatrização dos pontos externos e sem riscos de infecções secundárias. A doenças de base deverão ser acompanhadas e tratadas.

                 Junto do tratamento clínico ou cirúrgico convencionais, podem ser realizados tratamentos integrativos e complementares, como a homeopatia, fitoterapia (brasileira ou chinesa), de acordo com a enfermidade e seu diagnóstico. Medicamentos homeopáticos como Chionanthus, Ceanothus, Bellis perenis, Euphorbium officinarum podem auxiliar assim como fitoterápicos como tinturas de Tabebuia, Sete Sangrias, Pariparoba, Cordão de frade. Na Homeopatia Antroposófica temos o Viscum album injetável, cada vez mais utilizado para diferentes afecções.

Material consultado:

LONG BEACH ANIMAL HOSPITAL. Spleen Disease. Disponível em: https://lbah.com/feline/spleen-disease/

PET MD. Enlarged Spleen in Dogs. Disponível em: https://www.petmd.com/dog/conditions/cardiovascular/c_multi_splenomegaly

By Leonora Mello

A HOMEOPATIA E OS INCÊNDIOS

Tenho estado muito angustiada, como muitos de nós, pelas notícias da enorme catástrofe na Austrália, com os repetidos incêndios. E antes, com os incêndios que ocorreram no Brasil. A situação em breve com certeza irá melhorar, e chuvas vão apagar o fogo e logo a fauna e flora tentará se recuperar, mas enquanto isso, muitos animais precisarão de auxílio.

            Com certeza a Homeopatia pode ajudar nestes casos, tanto no tratamento das queimaduras, como nas sequelas dos traumas emocionais que aqueles pobres animais têm passado.

            Não venho aqui com prescrições milagrosas, com indicações de doses ou posologia, e sim fazer uma releitura do que deve estar acontecendo, e o que os grandes mestres homeopatas de ontem e de hoje poderiam indicar.

            O Dr. Chandak, homeopata indiano, classifica as queimaduras de acordo com variadas causas: ( continua)

Páginas: 1 2

Doença Inflamatória Intestinal Felina

A DII (doença inflamatória intestinal) em gatos domésticos tem se tornado mais frequente, ou talvez, mais diagnosticada devido ao maior acesso aos meios de diagnóstico por imagem, sobretudo a ultrassonografia.

Podem ocorrer sintomas como diarreia, diminuição do apetite, náusea e vômitos, dores abdominais, e por vezes ocorrem complicações como a pancreatite e a tríade felina (que envolve inflamação em fígado, pâncreas e intestino delgado).

As causas de DII são variadas, pode iniciar pela presença de parasitas intestinais (vermes, Giardia sp, Criptosporidium, etc), corpo estranho não obstrutivo, naqueles gatos que costumam mastigar e engolir plástico e outras coisas não comestíveis, intolerância ou alergia alimentar, alteração na flora intestinal (pelo uso excessivo de antibióticos ou outros medicamentos). Pode se tornar crônica e vai adquirindo um perfil de doença autoimune, daí chamando-se enterite plasmocítica-linfocítica. Alguns autores relatam que casos crônicos sem tratamento, ou que não respondem bem ao tratamento, podem evoluir para linfoma intestinal.

É muito difícil fazer o diagnóstico diferencial de DII e de um quadro mediano de linfoma, que costuma ter um comportamento  de crescimento lento, perda da integridade das camadas internas, visualizado pela ultrassonografia, persistência dos linfonodos mesentéricos, e eventualmente metástases em outros órgãos.

O mais recomendado é iniciar o tratamento tão logo seja diagnosticada a doença inflamatória intestinal, com dieta hipoalergênica, probióticos e outros medicamentos, tentando descobrir as causas. A homeopatia pode auxiliar, e pode-se citar Arsenicum album, Mercurius cor, Podophylum, Gambogia, Iris versicolor, Sulphur, Veratrum, Colibacilinum…Para cada caso, com seus sinais e sintomas, poderá ser feita uma prescrição adequada, que irá aliviar os sintomas ou mesmo curar.

By Leonora Mello

Dor Articular em Cães e Gatos e seu Tratamento Complementar

http://creatureclinic.com/wp-content/uploads/2014/05/arthritis.png

Pode ocorrer dor aguda ou crônica em qualquer cão. Independente de idade ou raça, lesões podem ocorrer, de ordem aguda ou crônica. Geralmente as lesões agudas são devido a algum traumatismo, ou por excesso de exercício sobrecarregando alguma articulação.

Geralmente a dor aguda é superada em poucos dias, algumas vezes necessitando de anti-inflamatórios, que podem ser derivados de corticóides ou os AINES, os anti-inflamatórios não esteroidais. Com eficácia comprovada, também são conhecidos os seus numerosos efeitos colaterais se utilizados de modo incorreto, ou se ocorrer hipersensibilidade ao fármaco.

Continue Reading →

Lágrima ácida em cães e gatos

 

É comum vermos cãezinhos, e alguns gatos apresentarem manchas avermelhadas ou marrons nos pelos  junto aos olhos. O nome disto chama-se epífora e tem várias causas.

Nos cães, as raças mais acometidas são Poodles, Maltês, Bulldog Inglês, Lhasa Apso e Shih Tzu e os gatos que também sejam braquicéfalos, isto é, aqueles que possuem o focinho achatado.

Este focinho mais curto, e o globo ocular mais saltado dificulta a drenagem da lágrima. A drenagem das glândulas lacrimais no cão é feita através de orifícios superior e inferior, um canalículo superior e inferior, um saco lacrimal pouco desenvolvido e um duto nasolacrimal. Qualquer destas partes pode ficar obstruída, ou por inflamações ou por estreitamentos que ocorrem desde o nascimento, sendo inclusive por erros de origem genética. Continue Reading →