Somos todos feitos de partículas

Somos todos um, em última instância, compostos dos mesmos prótons, elétrons, nêutrons, e outras tantas ultapartículas, que se mantém em coesão e em constante vibração através de uma Força cósmica, que chamamos “Energia Vital” ou “Força Vital”. O homeopata americano James Tyler Kent chamava de “Substância Simples”.

               Quando compreendemos isso, começamos a entender também os caminhos de manter ou restaurar o equilíbrio destas infinitas conexões energéticas. Alguns pensam em potenciais atômicos bélicos, mas são a Paz e a Cura os verdadeiros caminhos que devemos buscar.

               Os antigos descobriram pela Acupuntura, e séculos depois, pela Alquimia, seguida da Homeopatia, Florais, Radiestesia, Meditação, exercícios respiratórios como nas práticas de Tai Chi Chuan ou Kung Fu….

               A Ciência e a Medicina convencionais andam a passos largos, mas sempre serão interações químicas e energéticas sobre nossas conexões. Não nos esqueçamos que em síntese, somos todos moléculas em funcionamento, enquanto tivermos a Benção de uma Força nos vitalizando.

Homeopatia e a Medicina Veterinária

Com o crescimento das Terapias Integrativas e Complementares, aos poucos vem aumentando a aceitação dos responsáveis/tutores pelos animais de companhia em utilizá-las. Porém, são tantas, que umas se entremeiam às outras e se confundem. Por exemplo, muitos ainda acham que a utilização de fitoterápicos, florais e produtos ortomoleculares fazem parte da terapia homeopática. E não é bem assim…. venho então neste breve texto explicar um pouco sobre Homeopatia Veterinária.

            Como Médica Veterinária, posso fazer uso da Homeopatia, uma vez que cursei a pós-graduação, ou se achar necessário, da Acupuntura, da Auriculoterapia, da Moxabustão, do laser ultra-vermelho, ou o apenas a radiação de luz vermelha, cujos estudos completei também com após outra especialização…. Uso se necessário estes recursos, assim como a aplicação de outros cursos que fui fazendo ao longo da vida, como florais, tinturas, chás, extratos, fórmulas ortomoleculares, e mesmo radiestesia, embora, esta última prática eu deixe para meus estudos em casa sobre algum caso em particular, assim como tento desenvolver meus estudos de Reiki e outros caminhos quânticos que aparecerem.

            É importante citar, que para se ter proficiência nas práticas integrativas, é necessária uma base muito sólida em clínica médica geral, e estar sempre fazendo atualizações sobre a Medicina convencional, os exames a serem solicitados, nas novidades diagnósticas, nas doenças emergentes. E aí sim, aplicar o conhecimento de uma forma diferenciada, mas lúcida e com bom senso. E muitas vezes, as terapias integrativas trabalham como coadjuvantes da terapia convencional alopática, e também dá certo! Minimizando efeitos colaterais, permitindo diminuição de doses, ajudando nos cuidados paliativos… Com conhecimento, consciência e muito estudo, muita coisa é possível de se fazer!

Se está apreciando o texto, continue lendo!

Páginas: 1 2