Vegetarianismo para animais de companhia

Em 2007, a empresa  empresa canadense Menu Foods, a maior fabricante de rações da América do Norte, anunciou que retiraria do mercado 60 milhões de enlatados para animais. O motivo deste Recall sem precedentes, foi a confirmação da morte de 16 animais por falência renal e hepática.

Infortunadamente, na mesma ocasião, a FDA (Food and Drug Administration), agência responsável pela regulamentação de alimentos e medicamentos nos EUA recebeu mais de 14. 000 reclamações sobre animais domésticos com sintomas de perda de apetite, vômitos e apatia, os principais sintomas da intoxicação.

A situação complicou-se ainda mais quando averiguou-se que o agente causador, era  o glúten de trigo importado da China e contaminado com melamina, composto orgânico, comumente produzido a partir da uréia, utilizado na indústria plástica (resina melamina-formaldeído), além de constituir subproduto de vários pesticidas.

Os ruminantes conseguem utilizar em sua nutrição fontes de nitrogênio não protéico, principalmente a uréia, pois convertem o nitrogênio  em proteína, através da atividade bacteriana ruminal. Porém, os monogástricos como cães e gatos domésticos, não metabolizam estes subprodutos, sendo pelo contrário, extremamente deletéricos para eles.

A partir daí, muita gente passou a buscar alimentos naturais, não enlatados ou peletizados, como alternativa segura e saudável para os seus animais de companhia.

Há bastante gente aderindo para seus pets a dieta “BARF” -“bone and raw food”, ou “biological aproprieted raw food” (ossos e alimentos crus), composta por alimentos de origem animal crus, juntamente com vegetais.

A indústria produtora do alimento reconheceu que, uma vez que alimentos naturais crus não passam por nenhum processo de irradiação ou cocção, o consumidor e seu animal de estimação sempre terão algum risco de exposição a patógenos, entretanto os benefícios de uma dieta crua excede em valor o risco, e existem diretrizes de manuseio adequados do produto segundo as normas dos FDA destacados no rótulo.

Segundo alguns dados relatados, a salmonelose, geralmente, é comum em cães e quase sempre ocorre como resultado da ingestão de alimentos contaminados. Infecções por Salmonella em cães têm sido atribuída à carne de cavalo crua e às dietas preparadas em hospitais veterinários. A Salmonella foi encontrada em mais da metade das amostras de abatedouros com processamento para o consumo humano. Dos 24 sorotipos verificados nas amostras, a Salmonella typhimurium foi o mais prevalente. O número de cães infectados com salmonelas é surpreendentemente elevado.

Considerando que estes cães possam ser uma fonte potencial para várias zoonoses, incluindo-se salmonelas, enquanto alimentados com carnes cruas a cães passam a ser uma preocupação de saúde pública.

Normalmente os alimentos naturais crus são mantidos sobre refrigeração e congelamento. No caso da refrigeração, as temperaturas se situam entre 0 e 7ºC. Neste caso, os impactos sobre as propriedades nutricionais e sensórias são mais brandos, porém os tempos de conservação são menores. Para o congelamento ser eficiente, necessita-se de temperaturas de -18ºC ou inferiores. Existem microorganismos que ainda crescem a -10ºC , o que acarreta um perigo para o congelamento mal monitorado. Sabe-se, porém, que na temperatura de -18ºC ou menos ocorre a inibição de microrganismos.

Em outra visão ainda mais restrita quanto à alimentação natural, o vegetarianismo está relacionado diretamente com três grandes temas: a preservação do meio ambiente, devido à agressividade da atividade pecuária, que destrói florestas, desperdiça e contamina águas e emite gases do efeito estufa; à promoção da saúde, pois o consumo de carnes está associado a inúmeras doenças; e filosoficamente o mais importante: o vegetarianismo está associado à defesa dos animais de consumo, que não têm uma vida nada fácil e uma morte pior ainda.
O Veganismo como dieta, é o vegetarianismo estrito a alimentos vegetais, sendo que os veganos não comem ovos, nem leite, nem seus derivados. O Veganismo repudia a exploração animal e, portanto, seus adeptos não usam roupas nem sapatos de couro e são contra atividades como rodeios, uso de animais em circos, experimentos com animais, etc.

Todo extremo é complicado. Sabemos que os cães precisam de carne,e os gatos, tem necessidades vitais, sem carne eles não obtem nutrientes para sua sobrevivência.

Quem tiver tempo e disposição de se propor a preparar  uma alimentação balanceada para seu cão ou gato, estará diante de uma grande tarefa e grande responsabilidade, mas é totalmente viável e válido. Porém a questão da restrição de carne já complica bastante, e é necessário observar custo-benefício em relação a ter de adicionar vários nutrientes industrializados, para suprir as necessidades causadas pela ausência da carne.

Referência bibliografica:

http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S151635982010001300007&script=sci_arttext

 

By Leonora Mello

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *