Utilização de soro sanguíneo autólogo para tratamento de úlceras corneais de difícil resolução

Os olhos, tanto  no ser humano, como nos animais, são estruturas muito frágeis, facilmente comprometidas, e em caso de qualquer lesão, deve ser imediatamente procurado um centro de emergência, e se necessário, o clínico veterinário encaminhará para o oftalmologista veterinário.

Os animais que ter maior probabilidade de desenvolver úlceras de córnea, são aqueles de focinho curto, ou braquicefálicos, onde a órbita óssea é rasa e o olho propriamente, toma um aspecto protuberante, que chamamos exoftalmia. Podemos exemplificar entre os cães algumas raças: Lhasa Apso, Pequinês, Shih tzu, Pug, Buldogue Frances. Entre os gatos, pode ocorrer nos persas. Por esta característica anatômica, os olhos ficam mais expostos à poeira, ressecamentos, vento, ao calor do secador na hora da tosa,  espuma e produtos químicos que podem escorrer sobre eles, ou objetos ou plantas em que esbarram, ou ainda devido abrigas ou acidentes.

O tratamento das úlceras de córnea são variados de acordo com a gravidade das mesmas. Todos os casos precisam ser cuidadosamente tratados até a cicatrização total, sob pena de uma agravação e até cegueira. São utilizados numerosos colírios, com antibióticos e anti-inflamatórios não esteróides, assim como medicamentos sistêmicos. Tambem pode ser necessária cirurgia com flaps que agem como auto-enxertos.

Algumas úlceras são superficiais, não necessitando dos flaps cirúrgicos, mas podem ser crônicas e dificeis de cicatrizar, devido ao agente que está mantendo a inflamação, e também o sistema imune do animal.

Embora antigo, tem havido cada vez maior utilização da aplicação do soro coletado a partir do sangue do próprio animal, diluído em solução oftálmica estéril e conservado apropriadamente.O soro sanguineo possui fatores de crescimento, vitaminas, imunoglobulinas, substâncias anticolagenolíticas e bacteriostáticas que podem propiciar um efeito de regeneração epitelial na córnea afetada, sendo uma opção terapêutica viável, única ou coadjuvante ao tratamento convencional.

 By  Maria Leonora Veras de Mello

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *