A EVOLUÇÃO DO FELINO DOMÉSTICO

Existem cerca 37 espécies na família Felidae, embora ainda hajam controvérsias. Nos últimos anos, no entanto, a revolução no seqüenciamento genético de vários seres vivos, induzida pelo Projeto Genoma Humano e por poderosas tecnologias de estudo do DNA.

Uma das linhagens reúne todos os grandes felinos que rugem como o leão, o tigre, o leopardo, a onça e o leopardo-das-neves. Em todos eles a estrutura óssea que dá apoio à língua, chamada hióide, encontra-se parcialmente calcificada, o que permite que esses felinos rujam. Também nesse grupo estão as panteras-nebulosas e as panteras-nebulosas de Bornéu, espécie pouco conhecida de felinos de porte médio com pelagem marmoreada. Por terem os ossos do pescoço estruturados de forma um pouco diferente, esses animais não conseguem rugir.

No final do Oligoceno, há 25 milhões de anos, apareceu o primeiro felino verdadeiro, andava com os dedos, chamado “Pseudoailurus” e possuía dentes caninos, como um gato verdadeiro, que seriam os primeiros membros da família dos gatos modernos, um exemplo atual seria a Fossa e o Tigre Dente de Sabre na América. No Pleistoceno surgiu o gênero Felis, enquanto os felinos primitivos desapareceram.
No período Quaternário, no final do 2º Período Glacial apareceu o Manul, este ainda pode ser encontrado na Ásia, e provavelmente originou o Gato Selvagem de Martelli, este gato viveu na Europa e no Meio Oeste, desaparecendo há menos de 1 milhão de anos, mas acredita-se que sejam ancestrais diretos dos modernos gatos selvagens que tornaram-se os gatos domésticos hoje. Difundido por toda a Europa, Ásia e África, o Gato Selvagem de Martelli originou outros três tipos: Gato Selvagem da Floresta (gato do mato europeu ou gato do mato), Gato Selvagem Africano (gato selvagem da Líbia ou gato Kaffir) e Gato do Deserto Asiático (gato enfeitado ou gato chinês do deserto). O gato doméstico descende, principalmente, do Gato Selvagem Africano com o Gato do Deserto Asiático ou Gato Enfeitado.

Há muito debate sobre a evolução do gato selvagem e os gatos domésticos modernos, mas a evidência do DNA publicado em 2007 conclui que os gatos domésticos são descendentes de pelo menos cinco fêmeas de fundação originadas de gatos selvagens africanos. A domesticação continua misteriosa, os primeiros vestígios datam a partir de 4500 anos a.C. no Egito, onde eram considerados animais sagrados. Com o progresso da civilização, os homens deixaram de serem nômades para tornarem-se fazendeiros, como os grãos atraiam ratos, aves e ratazanas e também gatos selvagens.

 

Na 12º dinastia egípcia, pequenos gatos com pelagem marcada eram frequentemente objetos de arte. Por volta da 22º dinastia, era do ouro dos faraós, o Rei Osorkon num ritual doou a um gato branco o supremo poder em um templo, tornando os gatos divinos. Certamente os egípcios acreditavam que os gatos eram guardiães e deuses, alguns foram encontrados mumificados e existia o templo da Deusa Bastet onde eram reverenciados.

 

Muitas múmias encontradas pelos cientistas foram identificadas como sendo da primeira espécie doméstica (Felis libyca). Bastet, deusa egípcia do amor e da lua, primeiro apareceu com a cabeça de leão, mas depois com cabeça de gato.

 

O que podemos acrescentar, é que tal como nos cães, o organismo dos gatos domésticos foi se modificando, mas há muitas diferenças entre os cães e gatos. Seu metabolismo é muito mais voltado ao equilíbrio proteico que dos carboidratos, sendo dependentes de alguns aminoácidos e vitaminas que não conseguem produzir bem. Eles de forma alguma podem se alimentar de rações caninas, pois irão desenvolver uma série de doenças por deficiência nutricional.

 

Por sua origem no deserto, os gatos que convivem em nossa companhia, alimentando-se de ração possuem uma tendência a ingerir pouca água, porém, devido a modificação de seus hábitos alimentares e seu modo de vida, temos de aumentar esta ingesta de líquidos, quer fornecendo alimentos pastosos que contém água, quer levando-os a ingerir mais água, sob o risco de desenvolverem problemas urinários e doença renal. Tentar por outro lado dietas caseiras ou estritamente proteicas, não balanceadas também são um problema porque irão gerar outras deficiências, já que estando confinados, eles não tem como buscar os alimentos adequados para a complementação de suas necessidades nutritivas.

 

Felis silvestris ou GATO Bravo, espécie selvagem do gato doméstico Felis gatus(Europa)

 

Dos desertos da áfrica até a Àsia, o Gato Selvagem de patas negras habita as regiões áridas, assim como o Gato do Deserto Chinês, o Gato da Selva e o Gato do Deserto

Gato Dourado asiático, que habita a Malásia

 

 

Jaguatirica ou ocelote, que vive na América do Sul

Gato andino

 

Onça pintada , ameaçada de extinção no Brasil

Onça parda ou jaguar

Fontes consultadas

http://www2.uol.com.br/sciam/reportagens/a_evolucao_dos_gatos.html

http://www.portaleducacao.com.br/biologia/artigos/16267/a-evolucao-do-felino-domestico#ixzz2Tk8uhueV

http://olivrodanatureza.blogspot.com.br/2012/07/felinos-selvagens-de-pequeno-e-medio.html

 

Por Leonora Mello

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *